Blog

Oracle RDS na AWS – Casos de uso e vantagens

No comments

Case de Sucesso
Cliente ORAEX do Segmento Jurídico

        Cliente com atuação na área jurídica com limitações físicas para locar e manter um CPD completo, sendo obrigado a contratar outros serviços terceirizados no mercado. O serviço contratado se mostrava ineficaz tanto nas operações de manutenção dos equipamentos, como na administração dos mesmos. Demora elevada no atendimento das solicitações que não atendiam o nível de serviço contratado. 

Como foi o processo de migração

  • Inicialmente foi feito um levantamento da estrutura atual das necessidades da empresa para implementação dos projetos em execução e expectativa de novos projetos. Após definido as premissas e objetivos, foi levado em consideração quanto se poderia investir e o custo de manutenção após a implementação. Para tal, foi elaborada uma POC (Proof of Concept), sendo a fase inicial o teste de desempenho dos serviços no conceito de Cloud (AWS). Para os testes de banco de dados, foram criadas instâncias em regiões distintas, uma em São Paulo e outra na Virgínia. Durante o “stress test” em ambas as regiões foi verificado que para os sistemas corporativos, a região da Virgínia obteve um desempenho melhor por apresentar uma menor latência. Nos testes de performance se notou uma grande melhoria no desempenho em geral dos processos, além da facilidade de monitoria de performance do banco de dados através das próprias ferramentas da AWS.

  • Para o sistema ERP a região de São Paulo se mostrou mais eficaz devido a integração com outros sistemas “legado” da empresa.

  • As licenças adquiridas anteriormente do banco de dados Oracle foram migradas para a criação das instâncias AWS-RDS (BYOL), não havendo assim perda dos investimentos anteriores.

  •  Toda a migração do parque foi dividida em ondas de indisponibilidade, sem interrupção prolongada dos serviços, evitando prejudicar as tarefas da empresa e seus clientes, assim como projetos que estavam em andamento.

  • Após essa operação foram criados bancos de homologação, e novos bancos de desenvolvimento. Outros bancos de dados foram criados para atendimento de projetos específicos e de melhoria dos sistemas internos, que antes não eram possíveis devido a limitação de espaço físico no CPD da empresa e devido aos altos custos de locação de servidores.

  • Hoje a empresa opera com toda a sua estrutura em nuvem hospedada na AWS, sendo simples a criação de novos ambientes tanto de banco de dados quanto de servidores de aplicação, com operações de clonagem de servidores (snapshot) ou contratação de novos serviços na AWS.

  • Uma das maiores vantagens obtidas com essa mudança foi a possibilidade de expandir seu parque computacional e a capacidade de processamento. Este último, foi fator primordial para o crescimento da empresa. Em dois anos após a implementação do projeto o parque duplicou de tamanho. A base de dados que antes estava próxima aos 300Gb, hoje conta com mais de 5TB de storage utilizados. Novos projetos são executados com toda facilidade e a infraestrutura deixou de ser um limitador desta evolução. A comprovação de que todo o investimento nesta migração para nuvem foi um sucesso foram os diversos prêmios de reconhecimento recebidos.

O que é Amazon Relational Database Service (Amazon RDS)?

  • O Amazon Relational Database Service (Amazon RDS) é um web service que facilita a configuração, a operação e o dimensionamento de um banco de dados relacional na Nuvem AWS. Ele fornece capacidade econômica e redimensionável para um banco de dados relacional padrão do setor e gerencia tarefas comuns de administração de banco de dados.

Visão geral e vantagens do Amazon RDS

  • Quando você comprar um servidor, recebe CPU, memória, armazenamento e IOPS, todos no mesmo pacote. Com o Amazon RDS, estes elementos se separaram, para que você possa escalá-los independentemente. Se você precisar de mais CPU, menos IOPS ou mais capacidade de armazenamento, poderá alocá-los facilmente.

  • O Amazon RDS gerencia backups, patches de software, detecção automática de falhas e recuperação.

  • Para oferecer uma experiência de serviço gerenciada, o Amazon RDS não fornece acesso ao shell para as instâncias de banco de dados. Ele também restringe o acesso a determinados procedimentos e tabelas do sistema que exigem privilégios avançados.

  • Você pode ter backups automatizados realizados conforme necessário ou pode criar manualmente seu próprio snapshot de backup. Você pode usar esses backups para restaurar um banco de dados. O processo de restauração do Amazon RDS funciona de maneira confiável e eficiente.

  • Você pode obter alta disponibilidade com uma instância primária e uma instância secundária síncrona que pode ser usada para failover em caso de problemas.

  • Além da segurança no seu pacote de banco de dados, você pode ajudar a controlar quem pode acessar seus bancos de dados do RDS usando o AWS Identity and Access Management (IAM) para definir usuários e permissões. Você também pode ajudar a proteger seus bancos de dados colocando-os em uma nuvem privada virtual (VPC).

Regiões e zonas de disponibilidade da AWS

Os recursos de computação em nuvem da Amazon estão alojados em instalações de datacenter altamente disponíveis em diferentes áreas do mundo (por exemplo, América do Norte, Europa ou Ásia). Cada local de datacenter é chamado de uma região da AWS.

Cada região da AWS contém vários locais distintos chamados de Zonas de disponibilidade ou AZs. Cada zona de disponibilidade é projetada para ser isolada de falhas em outras zonas de disponibilidade. Cada uma é projetada para fornecer conectividade de rede de baixa latência e custo reduzido para outras zonas de disponibilidade na mesma região da AWS. Ao iniciar as instâncias em Zonas de disponibilidade separadas, você pode proteger seus aplicativos de falha de um único local.

Você pode executar sua instância de banco de dados em várias zonas de disponibilidade, uma opção chamada de implantação Multi-AZ. Quando você escolhe essa opção, a Amazon automaticamente provisiona e mantém uma instância de banco de dados secundária em espera em uma zona de disponibilidade diferente. A instância de banco de dados primária é sincronicamente replicada ao longo das zonas de disponibilidade para a instância secundária. Essa abordagem ajuda a fornecer redundância de dados e suporte a failover, eliminar congelamentos de E/S e minimizar picos de latência durante backups do sistema.

Desvantagens do uso do Oracle – AWS – RDS

Existem poucas desvantagens na utilização de uma instância RDS em comparação com uma instancia EC2, se sua aplicação escreve arquivos que são compartilhados por outros servidores, não se tem acesso direto as pastas de diretório, não se tem acesso ao “shell” da máquina, então essas operações devem ser um pouco repensadas, existem algumas alternativas, porém geram um pouco mais trabalho que um servidor que se tem acesso direto aos “file systems”. Outro ponto é em relação ao export/import, nas instancias RDS toda área de disco é compartilhada com o Banco de Dados, ou seja tudo que se gera de arquivos consome o mesmo espaço do banco, se for gerar por exemplo um export completo do banco de dados deverá observar que o espaço ocupado do arquivo entrará na sua cota de “storage” contratado para a instancia RDS. A transferência desses arquivos só é feita de banco para banco através de dblink usando packages internas, não usamos o binário do exp/expdp ou imp/impdp. Na administração existe uma peculiaridade, não temos mais acesso ao user “sys” existe um usuário equivalente que é o “admin”, porém comandos de grant para objetos do “sys” são atribuídos de forma diferente.

 

Autor: Marcelo Ribeiro

ORAEXOracle RDS na AWS – Casos de uso e vantagens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *